voltar

Por que você precisa de um planejamento financeiro

06 agosto / GX INVESTIMENTOS
Por que você precisa de um planejamento financeiro

 

Quem nunca ouviu o conselho "viva o presente" ou "viva cada dia como se fosse o último"? São ótimas dica para aproveitar melhor o que acontece aqui e agora. Porém, quando o assunto é dinheiro, é inteligente ter também um olho no futuro, postura que se materializa com um bom planejamento financeiro.

Sem ele, a longevidade do conforto e segurança que você tem agora será uma incógnita. E a realização daqueles sonhos fica entregue ao acaso. Se você não está a fim de enfrentar um futuro com tantos pontos de interrogação, comece já a planejar suas finanças.

 

O que é planejamento financeiro?

Planejamento financeiro é um processo em que a vida financeira de um indivíduo é analisada para traçar um plano de investimentos. São estabelecidas metas de poupança, aportes e os resultados esperados são vinculados a objetivos de vida.

Em outras palavras, o planejamento financeiro é a organização do modo como você lida com o dinheiro. Com definições para questões como: quanto vai poupar, por quanto tempo, em qual aplicação vai investir e o que vai fazer com esse dinheiro no futuro.

Parece simples e óbvio, mas na vida real muita gente deixa esse planejamento em segundo plano. Focam na sua profissão ou em seu negócio e, conforme ganham mais, aumentam seu padrão de vida.

O problema aparece quando o sujeito chega a uma certa idade, não consegue manter o mesmo ritmo de trabalho e precisa diminuir o padrão de vida ou dilapidar seu patrimônio para sustentá-lo. Isso acontece por falta de planejamento financeiro, e é um problema bem mais comum do que você imagina.

 

Onde investir?

Na hora de executar o planejamento financeiro, existem vários caminhos a serem seguidos para fazer o dinheiro render. Bem-vindo ao universo dos juros compostos, que encurtam a jornada da independência financeira, mas não eliminam a necessidade de paciência e disciplina.

"O que enriquece de fato é o investimento mês a mês, com os juros compostos trabalhando em um prazo mais longo", explica Vinicius Teixeira, sócio e gestor da GX Investimentos.

A falta dessa compreensão leva à ilusão de que é possível obter uma rentabilidade alta e rápida com um risco baixo, um dos erros mais comuns de quem entra no mercado financeiro.

Saber disso não é o suficiente para montar um bom planejamento financeiro. Na hora de escolher onde aplicar o dinheiro, é preciso conhecer melhor os objetivos e o perfil do investidor.

Algumas pessoas têm um objetivo principal a longo prazo e baixa disposição ao risco, outras miram resultados no médio prazo e não têm problemas com investimentos de maior risco. Há quem precise de uma reserva maior com alta liquidez, outros nem tanto. E assim vai.

Como não se perder nesse mar de possibilidades? Aí entra o trabalho do especialista. "Com tempo, experiência e conhecimento, é possível entender qual é o investimento mais adequado ao seu perfil e às suas necessidades", garante Rafael Tanaka, sócio e assessor de investimentos da GX.

 

Como é feito o planejamento financeiro?

Diante da complexidade do mercado financeiro, muita gente faz esta pergunta: o planejamento financeiro dá trabalho? Vinicius Teixeira responde: "Tem um desgaste inicial para planejar onde você quer ir e o que vai fazer para chegar até lá. Depois, é só executar, o que demanda menos tempo".

E esse desgaste inicial pode ser minimizado, porque o investidor não precisa entender tudo do assunto. Em vez disso, é só contar com a assessoria de profissionais que o ajudam a montar esse planejamento financeiro.

O trabalho de um assessor da GX Investimentos acontece em três etapas:

1. Conhecer o cliente

No início do trabalho, o assessor busca saber qual a renda do cliente, quanto ele consegue economizar por mês e quais seus objetivos de médio e longo prazo.

O cliente também é questionado sobre a liquidez que precisa, ou seja, qual a chance de precisar daquele recurso em um ano? E em dois?

A conversa inicial pode tomar outros rumos, conforme a necessidade do investidor. Ele pode procurar o assessor para traçar um plano de aposentadoria para daqui a dez anos, por exemplo.

2. Estudo de investimentos

A partir dessa primeira etapa, o assessor saberá identificar se o cliente tem um perfil conservador, moderado ou agressivo. Com essas informações, é montada uma proposta de investimentos, conforme a necessidade de liquidez do indivíduo.

Por exemplo: se o cliente tem R$ 100 mil para começar a investir e precisa de uma reserva de R$ 20 mil para resgatar na hora que precisar, esse dinheiro é alocado em aplicações com liquidez alta, enquanto os outros R$ 80 mil serão alocados em investimentos com menor liquidez, com prazos maiores que 60 dias.

Essa diferenciação é importante porque evidencia a importância do hábito do planejamento. "Aquele dinheiro que você sabe que pode ficar mais tempo vai ter melhores oportunidades de rendimento. Por outro lado, quando é possível retirar o dinheiro a qualquer hora, ele vai rentabilizar menos", esclarece Tanaka.

3. Acompanhar os resultados e o mercado

A última etapa do trabalho é contínua: o acompanhamento da carteira de investimentos. De tempos em tempos, é mantido contato com os clientes para avaliar o que é melhor manter e o que pode ser mudado.

Aqui, é importante destacar que essa fase está diretamente relacionada com o acompanhamento do mercado. "Se muda alguma coisa na economia que afeta o cliente, a gente reage da maneira mais rápida possível para auxiliá-lo a ter um resultado melhor", destaca Teixeira.

Um exemplo: com a queda da taxa básica de juros, avalia-se, junto com os clientes que investiram em aplicações de renda fixa, se é interessante transferir uma parcela para a renda variável.

Outro exemplo é quando espera-se uma queda nas ações de determinada empresa. Nesse caso, clientes que investiram nelas são indagados sobre a intenção de vendê-las e aplicar em outro investimento.

 

Conte com a GX Investimentos

Se você está precisando planejar sua vida financeira, marque uma conversa com a equipe da GX Investimentos, escritório credenciado da XP Investimentos, referência nacional no mercado financeiro.

O planejamento financeiro conduzido pelos assessores não é cobrado e o cliente tem acesso a uma carteira diversificada e completa, com opções para todos os tipos de investidor.

 

 

Glossário

Termos destacados no texto:

Juros compostos: quando o rendimento dos juros se soma ao montante investido, aumentando o total sobre o qual os juros vão continuar incidindo.

Liquidez: é a velocidade e facilidade que o investidor tem para resgatar o dinheiro investido. Quanto maior a liquidez, mais fácil é resgatá-lo.

Taxa básica de juros: também chamada de Taxa Selic, é definida por um comitê do Banco Central e é usada como referência para muitos investimentos.

Renda fixa: é um tipo de investimento em que a rentabilidade é previsível (pode ser prefixada ou pós-fixada), como os vinculados à taxa básica de juros.

Renda variável: são investimentos com menor previsibilidade sobre os rendimentos, como o mercado de ações.

Compartilhe:

Leia também

O que é o Fundo Garantidor de Crédito?
15 abril / GX INVESTIMENTOS

O que é o Fundo Garantidor de Crédito?

Se você quer rendimentos maiores, mas sem abrir mão da segurança no investimento mesmo se houver quebra do banco ou da corretora, fique ligado na F...

SAIBA MAIS
Como o dólar afeta os seus investimentos?
15 abril / GX INVESTIMENTOS

Como o dólar afeta os seus investimentos?

Entenda um pouco de como a variação diária da moeda dos Estados Unidos pode causar influência em seus investimentos e na economia do país.

SAIBA MAIS
O que é o CDI?
15 abril / GX INVESTIMENTOS

O que é o CDI?

Vale lembrar que um investidor comum não pode investir diretamente no CDI, mas apenas ter os certificados como referência para as várias modalidade...

SAIBA MAIS

GOSTOU DO CONTEÚDO?

Acesse nossa área restrita
e assista conteúdos exclusivos.

QUERO ME CADASTRAR